Estado de Alagoas

Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

» Página Inicial Sala de Imprensa Notícias 2017 Novembro Iteral intervém na ocupação irregular próxima a Perímetro Irrigado
22/11/2017 - 17h05m

Iteral intervém na ocupação irregular próxima a Perímetro Irrigado

Centenas de famílias serão beneficiadas com a irrigação agrícola, após a conclusão da obra, no município de Palmeira dos Índios

Iteral intervém na ocupação irregular próxima a Perímetro Irrigado

Texto e foto: Helciane Angélica Santos Pereira

 

O Instituto de Terras e Reforma Agrária de Alagoas (Iteral), Seagri, Seinfra e o Centro de Gerenciamento de Crises da Polícia Militar uniram suas equipes para equacionar a ocupação irregular nas imediações do Perímetro Irrigado da Barragem do Bálsamo, localizado no município de Palmeira dos Índios.

 

Também participaram das discussões nessa quarta-feira(22.11), na sede do Iteral, o Deputado Estadual Edval Gaia e o ex-procurador estadual Ricardo Vitório, que destacaram a urgência na solução do caso porque prolonga-se há décadas e muitas pessoas estão desacreditadas, além de possibilitar novas invasões.

 

Segundo o diretor-presidente do Iteral, Jaime Silva, a área em torno da barragem é de propriedade do Estado e encontra-se ocupada por posseiros, sendo necessário intensificar a negociação e explicar a importância da obra que garantirá o beneficiamento de centenas de famílias com a irrigação agrícola e ampliação de hortifrútis.

 

Com a implantação do perímetro irrigado da barragem do Bálsamo, o Governo de Alagoas proporcionará o desenvolvimento da região, fortalecendo a produção dos agricultores familiares, que poderão participar das feiras agrárias e investir no Programa de Aquisição de Alimentos (PAA)”, destacou Jaime Silva.

 

Ao todo, são 200 hectares e 8km de perímetro e a empresa Cohidro – Consultoria, Estudos e Projetos Ltda – terá oito meses para finalizar a demarcação, cercar a área, construir o reservatório, a estação elevatória de bombeamento e implantar as tubulações.

 

No primeiro momento, é preciso definir o perímetro da área e os limites de cada lote para começar os trabalhos. Já tem dois meses, que nós estamos sendo impedidos de entrar no local e o que a gente quer é uma solução do Estado”, afirmou Jerônimo Lima, um dos representantes da Cohidro.

 

O procurador estadual Aderval Tenório informou que são 37 lotes e que já existe uma ação de imissão de posse a favor do Estado, garantindo a titularidade da terra e a continuidade da obra. Conforme levantamentos, existem 30 famílias instaladas em barracos de lona e foram identificadas 19 com casas de alvenaria; para solucionar as problemáticas, terá uma visita in loco e um encontro com todas as partes envolvidas no próximo dia 29 de novembro.   

Ações do documento